Coimbra, a Cidade das Capas Negras

A cidade de Coimbra, com o rio Mondego aos seus pés e o centro histórico que se distribui entre a zona da Alta e da Sofia, é especialmente conhecida por sua Universidade e pelos estudantes com a Capa Negra aos ombros. Reconhecida como sendo a primeira Universidade de Portugal e uma das mais antigas do mundo ainda em exercicio de funções, a Universidade de Coimbra nasceu em 1290 às mãos do Rei D. Dinis I.

Uma das suas curiosidades mais interessantes é que foi transferida diversas vezes entre Lisboa e Coimbra desde a sua fundação até 1537, ano em que se fixou definitivamente na zona Alta de Coimbra, no que agora é conhecido como “Paço das Escolas”.
Estas lutas entre Lisboa e Coimbra pela Universidade se deviam ao estatuto de capital do país: a corte portuguesa morou em Coimbra até 1255 até que D. Afonso III decidiu mudar para Lisboa pela prosperidade que a cidade foi conquistando como zona de comércio. O que poucos sabem é que, até hoje, Coimbra continua a ser a capital oficial de Portugal, pois ninguém declarou o contrário, nem D. Afonso III, nem nenhum dos seus sucessores.

A Universidade de Coimbra foi reconhecido o Estudo Geral, com as faculdades de Artes, Direito Canônico, Direito Civil e Medicina em 1290. Hoje em dia, cerca de vinte e cinco mil estudantes dividem-se entre oito faculdades distribuidas por três polos onde é possível adquirir os graus acadêmicos.
A Torre da Cabra é símbolo iniquivoco da cidade, mas é nos estudantes que resta a essência do ambiente melancôlico que se vive em Coimbra. É possível vê-los de Capa Negra aos ombros, como se tivessem saido do último filme de Harry Potter, a estudarem nos diversos polos ou a cantar à cidade especialmente na zona da Baixa, isto porque um dos símbolos de Coimbra é precisamente o Fado de Coimbra, de onde nasceu o Fado do Estudante. Canta-se à dificuldade das aulas, aos Senhores Doutores Professores que dificultam a vida, à Praxe, à vida boêmia de estudante, mas principalmente à saudade, porque o estudante de Coimbra tem saudade daquilo que foi e daquilo que ainda não acabou.

Desde 2013, a Universidade de Coimbra é considerada Patrimônio Mundial pela UNESCO, um título que lhe tem rendido milhares de visitas por ano ao seu centro histórico, onde é possível visitar os três museus da Universidade, o Jardim Botânico, o Paço Real, a Real Capela de S. Miguel, a Torre da Universidade e, por fim, o tesouro da cidade: a Biblioteca Joanina. Construída entre 1717 e 1728, é uma das obras primas do Barroco Português e cujo nome é uma homenagem ao Rei D. João V que patrocinou a sua construção.

Já cantava a fadista portuguesa Amália Rodrigues que Coimbra é uma lição de sonho e tradição onde se aprende a dizer saudade....