S.P.Q.R - A cidade eterna

21 de abril de 753 a.C.
E Roma foi fundada. Mas, será mesmo?

Durante o reinado de Augusto, o historiador Marco Terêncio Varrão (116 -27 a.C.) estabeleceu a data com base em estudos do astrólogo Lúcio Tarúcio Firmano.

A criação de Roma é conhecidamente marcada pela lenda envolvendo os irmãos gêmeos Rômulo e Remo. Segundo a história descrita na obra Eneida, do poeta Virgilio, o povo romano é descendente do herói troiano Eneias. Sua fuga para a Península Itálica se deu em função da destruição da cidade de Troia, invadida pelos gregos em 1400 a.C.. Após sua chegada, criou uma nova cidade chamada Lavínio. Tempos depois, seu filho Ascânio criou o reino de Alba Longa.

Neste reino ocorreu o enlace entre o deus Marte e a princesa Reia Sílvia, filha do rei Numitor. O envolvimento da princesa com a divindade deu origem aos gêmeos Rômulo e Remo, que deveriam ter direito de reinar sobre Alba Longa. No entanto, o ambicioso Amúlio arquitetou um plano para tomar o governo e, por isso, decidiu lançar as duas crianças às margens do rio Tibre. Como por um milagre, o cesto onde estavam as crianças atolou-se em uma das margens do rio no sopé do monte Palatino, onde são encontrados por uma loba que os amamenta.
Após algum tempo aos cuidados da loba, o pastor de ovelhas chamado Fáustulo encontra os meninos próximo à Figueira Ruminal, na entrada de uma caverna chamada Lupercal. Ele os recolhe e leva para sua casa, onde são criados por sua mulher Aca Laurência.

Quando chegaram à idade adulta, os irmãos retornaram para Alba Longa e destituíram Amúlio, logo em seguida decidiram criar a cidade de Roma. Rômulo, que tinha o favor dos deuses, traçou o local onde seriam feitas as primeiras obras da cidade. Inconformado com a decisão do irmão, Remo saltou sobre a marca feita por Rômulo. Em resposta, Rômulo acabou assassinando Remo, tornando-se o primeiro monarca da história de Roma. O trabalho que realiza é o de um líder criativo, empreendedor e, naturalmente, guerreiro. Rômulo inventa soluções para povoar a cidade e distribuir as terras, cria estruturas sócio-políticas e militares, organiza o culto aos deuses, o Senado, uma das principais instituições do governo, e divide a sociedade romana em dois grupos: os patrícios e os plebeus, encontrando soluções para fazer de Roma a Cidade Eterna.